Consequência das alterações causadas por marinas de recreação em ambientes costeiros para organismos inscrustantes marinhos

Nome do Pesquisador: Gustavo Muniz Dias

Agência de fomento: FAPESP

Vigência: 12/2016 à 11/2018

Pesquisadores Docentes da UFABC:
Fernando Zaniolo Gibran
Danilo da Cruz Centeno

Pesquisadores Alunos da UFABC:
Joao Paulo Naldi Silva
Bruna Rodrigues Debastiani
Edson Aparecido Vieira Filho
Felipe Theocharides Oricchio
Isadora Drovandi Rodrigues
Karina Kitazawa de Souza Santos
Otávio César Marchetti
Rodrigo Mosquera Tanasovici

Pesquisadores Externos:
Antonio Carlos Marques
Katherine Griffith
Lueji Barros Pestana
Stuart Rees Jenkins

Resumo: A construção de portos e marinas na região costeira promove diversas alterações nos ecossistemas marinhos. Para organismos sésseis, marinas aumentam o substrato para recrutamento, entretanto essas construções representam um habitat com pressões seletivas muito distintas do substrato natural, uma vez que associado ao aumento do substrato há também um aumento da poluição, o que vem facilitando a entrada de espécies não nativas. Um dos principais mecanismos naturais de controle da bioinvasão é a predação, uma vez que predadores têm o potencial para controlar a entrada de propágulos exóticos, assim como estruturar a comunidade incrustante. Entretanto, essa importância da predação é muito variável em função do local no globo onde a comunidade se desenvolve. Em regiões tropicais a intensa predação tende a diminuir a diversidade podendo controlar espécies exóticas, o que dificilmente é observado em regiões de clima temperado. Além das alterações na composição de espécies, marinas também afetam a diversidade fenotípica das espécies. Por exemplo, o cobre, que é usado na fabricação de tintas anti-incrustantes, é um dos metais pesados mais comuns em marinas, induzindo a manifestação de fenótipos alternativos em organismos sésseis. Apesar disso, as alterações metabólicas causadoras dessa plasticidade ainda não foram exploradas. Desta forma, esse projeto tem como objetivo avaliar como a disponibilidade de substrato afeta a estruturação das comunidades incrustantes em seis marinas do litoral sudeste do Brasil, comparar a importância da predação em uma região tropical/subtropical no Brasil com a uma região tropical em Angola e uma região de clima temperado no País de Gales, além de avaliar as alterações metabólicas promovidas pela exposição de um invertebrado séssil ao cobre.

Entre em contato

Bloco L - 3° andar

Avenida dos Estados, n° 5001

Sta. Terezinha - Sto. André - SP

CEP: 09210-580

Email: propes@ufabc.edu.br

 

Telefones

Gabinete: 3356-7614

Administrativo: 3356-7620/7618

IC: 3356-7617/7619

CAP: 3356-7620/7616/7615

Propes-SBC: 2320-6150/6151

CEM-SA: 4996-0028

CEM-SBC: 2320-6176

Biotérios: 3356-7511