Nome do Pesquisador: Eduardo Alberto Cusce Nobre (Universidade de São Paulo)

Agência de fomento: FAPESP

Vigência: 08/2018 à 07/2020

Pesquisadores Docentes da UFABC:
Patricia Cezario Silva

Resumo: Com a coordenação do Professor Eduardo Cusce Nobre, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, o projeto de pesquisa procura analisar os limites e as possibilidades da aplicação dos instrumentos urbanísticos implementados pelo Plano Diretor Estratégico (PDE) do Município de São Paulo de 2002, assim como prospectar as possibilidades implícitas na sua revisão em 2014, considerando os princípios que os regem, a saber: Função Social da Cidade e da Propriedade Urbana; a Equidade e Inclusão Sócio-territorial; a Gestão Democrática; e o Direito à Cidade. Para tanto será realizada uma avaliação da aplicação dos instrumentos, com ênfase naqueles de acesso à terra urbanizada para fins de habitação de interesse social (ZEIS, PEUC, e Cota de Solidariedade) e de financiamento a projetos de intervenção urbana (OODC, OUC, PIU e TDC). Posteriormente será realizada uma pesquisa de experiências referenciais nacionais e internacionais de enfrentamento dos mesmos problemas urbanos, por meio da utilização de instrumentos semelhantes. Por fim, será analisada a proposição de novos instrumentos e a reformulação dos antigos face às análises e pesquisas realizadas, para posterior prospecção da simulação da sua aplicação a partir de cenários propostos. Logicamente que a revisão dos instrumentos por si só não resolvem o problema da organização da produção espacial e muito menos resolvem os conflitos inerentes a esse processo. Contudo a compreensão dos seus limites e as possibilidades de revisão são contribuições de extrema importância para o Poder Público Municipal.

Nome do Pesquisador: Osmar Domingues

Agência de fomento: Sem financiamento

Vigência: 03/2018 à 12/2018

Pesquisadores Docentes da UFABC:
Evandir Megliorini (SIAPE 1768307 CECS)

Resumo: O uso do aparelho celular está cada vez mais disseminado na população em geral, em particular pelos alunos em quase todos os níveis de formação, principalmente no curso superior, objeto deste estudo. Quanto ao uso desse aparelho em práticas pedagógicas ainda é uma questão controversa, faltando discussões mais aprofundadas para mitigar os conflitos entre professores e alunos. Nesse contexto a presente pesquisa, de caráter exploratório, tem o propósito de investigar a percepção dos professores credenciados nos cursos de graduação da UFABC quanto ao uso do celular como recurso pedagógico durante as aulas.

Nome do Pesquisador: Ailton Conde Jussani

Agência de fomento: Sem financiamento

Vigência: 08/2018 à 08/2019

Resumo: Veículos são movidos por um motor a combustão interna, em geral a gasolina ou a diesel, em que uma mistura ar/combustível sofre compressão. Entretanto, a queima na câmara de combustão gera diversos gases nocivos, que são expelidos pelo escapamento. Sabe-se que motores elétricos têm níveis de eficiência superiores aos veículos movidos a combustíveis fósseis. No que se refere à viabilidade da indústria automotiva de baixo carbono, o carro puramente elétrico tem a bateria como sua única fonte de energia, com emissão veicular igual a zero. Justifica-se a utilização crescente de veículos elétricos em função de tecnologias limpa, renovável, sustentável, consciente e compartilhada. Contudo, desestimula-se a participação do consumidor de veículo elétrico e híbridos, VE&H, no mercado brasileiro devido a fatores econômicos, tecnológicos, baixo volume de escala e dependência de uma infraestrutura indisponível. Além disso, em uma época de recessão econômica, posterga-se cada vez mais para o futuro a realidade de um mercado que se consolida nos países desenvolvidos e coloca o Brasil cada vez mais distante em relação à competitividade internacional no setor automotivo. Neste contexto, o objetivo geral da pesquisa é identificar cenários entre utilização de veículos elétricos urbanos e níveis de emissão de poluentes atmosféricos, isto é, como a emissão de poluentes afeta a saúde da população. Para viabilizar a pesquisa, desenvolveu-se uma ampla revisão teórica dos temas: sustentabilidade ambiental, saúde pública nas cidades e metas de emissões veiculares. Uma pesquisa quantitativa de caráter exploratório foi desenvolvida com o objetivo de ampliar o acesso e uso de bases de dados necessárias à avaliação e à proposição de políticas públicas para o VE&H. Justifica-se o desenvolvimento da pesquisa, pois no Brasil poucos são os incentivos para a aquisição de veículos considerados verdes, mais limpos e sem emissões, o que contribuirá para sustentabilidade ambiental e saúde pública nas cidades. Há um conjunto amplo de políticas que podem ser adotadas, com maior ou menor custo. Cabe ao Brasil eleger a eficiência energética como meta, abrindo espaço para veículos que não produzem emissões de gases nocivos ao meio ambiente e ao mesmo tempo melhorar a qualidade de vida de populações urbanas.

Nome do Pesquisador: José Blanes Sala

Agência de fomento: Sem financiamento

Vigência: 02/2011 à 02/2021

Alunos de Iniciação Científica participantes: Julia Cristina de Souza Berruezo
Camila Nascimento Silva
Alessandra Pinheiro Micheletti
Júlia Serra Martins
Isabella Rodrigues Alves
Giovanna Miron Fernandes de Moura

Resumo: Num primeiro momento caberá uma análise dos meios de proteção aos direitos humanos principalmente dos sistemas internacionais, pois são os que tem demonstrado alguma eficácia na aplicabilidade das suas decisões; além disso, será necessário discorrer sobre os instrumentos jurídicos municipais de implementação de políticas públicas, pois são os que existem mais perto da cidadania, já que o dia a dia das pessoas transcorre nos municípios. Num segundo momento será necessário demonstrar como as obrigações jurídicas assumidas pelos Estados em matéria de direitos humanos -principalmente as oriundas de tratados internacionais- são mais eficazmente respeitadas se as políticas públicas de garantia são executadas pelos entes locais. A referida avaliação traz consigo reflexões no campo da ciência política e da sociologia, uma vez que os resultados deverão mensurar-se em termos de melhora das condições de vida e de participação democrática nas decisões da coletividade.

Nome do Pesquisador: Pedro Roberto Jacobi (IEE-USP)

Agência de fomento: FAPESP

Vigência: 06/2017 à 05/2022

Pesquisadores Docentes da UFABC:
Sandra Irene Momm Schult
Luciana Travassos Silvana Zioni

Pesquisadores Alunos da UFABC:
Bruna Fernandes

Pesquisadores Externos:
Rosana Laura da Silva
Ana Lia Leonel
Pedro Torres

Resumo: Em um contexto fortemente marcado por mudanças climáticas globais, incertezas e com fortes tendências de alterações nas dinâmicas de regime hídrico, torna-se premente a necessidade de avançar no conhecimento e inovação associados à adoção de práticas de gestão da água e implementação de governança ambiental, com ênfase na vulnerabilidade hídrica face à variabilidade climática, numa perspectiva integrada, descentralizada e interdependente. Colocam-se novos desafios para abordar o tema da governança ambiental e suas interfaces com a governança da água, energia e segurança alimentar em uma escala que transcende a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), cuja denominação mais difundida é Macrometrópole Paulista. O presente projeto tem como objetivo, analisar de forma interdisciplinar, por meio de 5 subprojetos no contexto da Macrometrópole Paulista, o conjunto de processos que devem compor uma agenda de atuação e de integração das diferentes interfaces da governança ambiental associados à água e seus diversos usos. Visa, portanto compreender e analisar os impactos dos processos amplos de degradação ambiental e incremento da vulnerabilidade macrometropolitana, bem como, propor uma agenda inovadora de atuação e de integração das diferentes interfaces da governança ambiental num quadro de variabilidade climática

Entre em contato

Bloco L - 3° andar

Avenida dos Estados, n° 5001

Sta. Terezinha - Sto. André - SP

CEP: 09210-580

Email: propes@ufabc.edu.br

 

Telefones

Gabinete: 3356-7614

Administrativo: 3356-7620/7618

IC: 3356-7617

CAP: 3356-7615/7616

Propes-SBC: 2320-6150/6151

CEM-SA: 4996-0028

CEM-SBC: 2320-6176

Biotérios: 3356-7511