Nome do Pesquisador: Livia Seno Ferreira Camargo

Agência de fomento: FAPESP

Vigência: 11/2017 à 10/2021

Pesquisadores Externos:
Prof. Dr. Stephen Patrick Mayfield
Prof. Dr. João Carlos Monteiro de Carvalho
Prof. Dr. Mario Hiroyuki Hirata

Resumo: A produção e comercialização de medicamentos biológicos está diretamente relacionada ao escalonamento e custo de todo processo até a obtenção do produto final, principalmente para a obtenção de moléculas mais complexas, as quais são difíceis de se obter com as plataformas de produção já utilizadas. A tecnologia de cultura de células animais é empregada para produção de mais de 130 proteínas terapêuticas. Entretanto apresenta a desvantagem de elevado custo de produção devido aos requisitos nutricionais e de crescimento complexos, além de baixos níveis de expressão de proteína. Chlamydomonas reinhardtii, assim como os outros micro-organismos fotossintetizantes, é cultivada em condições mais simples e de baixo custo para o crescimento (luz, dióxido de carbono e sais). Esta microalga é utilizada para expressão de proteínas recombinantes devido às características de rápida geração de estáveis linhagens recombinantes, meio estável para dobramento de proteínas complexas, apresenta tempo de duplicação celular de 10 horas em meio de cultivo inorgânico e, portanto facilidade de aumento de escala de produção. Este trabalho apresenta o objetivo de utilizar a microalga Chlamydomonas reinhardtii para expressar alguns dos biofármacos apresentados, em 2015, na lista anual de produtos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (filgrastima, somatotropina, infliximabe e adalimumabe) no âmbito das Parcerias de Desenvolvimento Produtivo. A expressão, acúmulo e análise de proteínas de diferentes complexidades serão realizados através de técnicas de biologia molecular, western blotting, purificação das biomoléculas, ELISA e ensaios de proliferação celular. As cepas recombinantes serão, por fim, cultivadas em fotobiorreator tubular utilizando diferentes intensidades luminosas, a fim de avaliar parâmetros cinéticos de crescimento celular, bem como o acúmulo de proteína recombinante durante o processo.

Nome do Pesquisador: FABIANA RODRIGUES COSTA NUNES

Agência de fomento: Sem financiamento

Vigência: 03/2017 à 12/2027

Pesquisadores Externos:
Guilherme Levi Oliveira Rodrigues (Iniciação Científica - UNIFESP)
Miguel Marson Battistini (Iniciação Científica - UNIFESP)
Phillipe Santiago (Iniciação Científica - UNIFESP)

Outros Colaboradores:
MSc Amanda Alves de Moraes (Fundação Zoológico de São Paulo)
Prof. Dr. Oscar Rocha-Barbosa (UERJ)
Dra. Patricia Sammarco Rosa (Instituto Lauro de Souza Lima)

Resumo: Estudo da correlação forma-função e do repertório comportamental de grupos de vertebrados, com ênfase em Xenarthra (Dasypodidae).

Nome do Pesquisador: Fábio Marques Simões de Souza

Agência de fomento: Sem Financiamento

Vigência: 07/2015 à 07/2016

Resumo: A diminuição do sentido olfatório é uma condição debilitante, comum em idosos e pacientes com doenças neurodegenerativas, que leva a uma redução na qualidade de vida. Distúrbios da função olfatória podem gerar uma perda no prazer em comer, alterações de peso, dificuldade na detecção de odores que indicam risco a saúde e até o isolamento social e a depressão. Portanto é fundamental desenvolver estratégias terapêuticas para tratar essa condição debilitante. Esse projeto propõe o uso de uma abordagem interdisciplinar para estudar os correlatos neurais da percepção olfatória e testar a eficácia de tratamentos farmacológicos para aliviar os sintomas fisiológicos e comportamentais gerados por alterações periféricas e centrais do sistema olfatório. Pretende-se utilizar registros eletrofisiológicos dos disparos dos neurônios do córtex olfatório em roedores acordados respondendo a odores para construir e validar um modelo computacional do sistema olfatório. Essa abordagem permitirá o estudo dos mecanismos de ação dos fármacos na alteração da dinâmica dos circuitos neurais olfatórios, possibilitando a descoberta de novas estratégias para o tratamento da disfunção olfativa.

Nome do Pesquisador: FABIANA RODRIGUES COSTA NUNES

Agência de fomento: Sem financiamento

Vigência: 03/2017 à 12/2027

Pesquisadores Alunos da UFABC:
Denis Luiz Fernandes da Silva (PDPD voluntário)
Pedro Vinicius Rodrigues Lima (PDPD voluntário)
João Lucas da Silva (Iniciação Científica)

Pesquisadores Externos:
Alana Mahar Lázaro (aluna - UNIFESP)
Gustavo Rodrigues (aluno - UFABC)
Suzany Miranda (aluna - UNIFESP)

Outros Colaboradores:
Prof. Dr. Alexander Wilhelm Armin Kellner (Museu Nacional)
Prof. Dr. Ivan Sergio Nunes Silva Filho (UNESP)
Prof. Dr. Felipe Lima Pinheiro (UNIPAMPA)
Profa. Dra. Taissa Rodrigues Marques da Silva (UFES)
Profa. Dra. Juliana Manso Sayão (UFPE)
Prof. Dr. Max Langer (USP)
Profa. Dra. Annie Schmaltz Hsiou (USP)

Resumo: Estudo dos vertebrados fósseis (ênfase em répteis fósseis, particularmente Pterosauria) e sua evolução, buscando-se explicar a aquisição de suas características morfológicas ao longo do tempo, características estas relacionadas à anatomia, osteologia, morfologia funcional e suas afinidades filogenéticas (taxonomia e sistemática).

Nome do Pesquisador: Ana Carolina Santos de Souza Galvão

Agência de fomento: Fapesp

Vigência: Jun/2014 à Mai/16

Resumo: Embora grandes avanços tenham ocorrido no entendimento da biologia molecular e funcional do câncer, o tratamento da doença ainda se apresenta ineficaz na maioria dos casos. Vários são os fatores que contribuem para esse cenário dentre os quais a falta de atuação seletiva dos quimioterápicos e radioterápicos, emergência de células tumorais resistentes simultaneamente a ampla variedade de agentes citotóxicos durante o tratamento e a formação de metástases, esta última responsável por 90% das mortes em decorrência de carcinomas. Curiosamente, trabalhos publicados recentemente têm demonstrado a capacidade da metformina, hipoglicemiante oral utilizado há mais de 30 anos no tratamento da diabetes tipo II, de inibir a proliferação e induzir a morte de células tumorais. De maneira importante, verifica-se que a metformina apresenta ainda várias outras qualidades que demonstram seu potencial uso no tratamento do câncer. Entre estas, destaca-se baixa toxicidade em células não tumorais e capacidade de induzir morte celular programada em células tronco tumorais sugerindo que o tratamento com este hipoglicemiante possa causar menos efeitos colaterais e impedir a recorrência da doença, respectivamente. Adicionalmente, trabalhos realizados por nosso grupo confirmam os dados da literatura demonstrando que a metformina é eficaz na eliminação específica de células tumorais de várias origens, incluindo células de carcinoma hepático e leucemia mielóide crônica, mesmo no caso onde essas células apresentam fenótipo de resistência à múltiplas drogas (MDR). De fato, o tratamento de células MDR com metformina mostrou reduzir significativamente a expressão da glicoproteína P, a qual está associada ao bombeamento de agentes citotóxicos para o exterior celular. Nossos resultados demonstram também que a metformina é capaz de reduzir a atividade de metaloproteinases, proteínas cuja atividade é essencial durante o processo metastático. Por fim, foi verificado por nosso grupo que esses efeitos são ainda mais pronunciados em ambientes com reduzida disponibilidade de glicose sugerindo o desenvolvimento de tratamentos antitumorais associando a metformina e inibidores da captação de glicose e metabolismo glicolítico. O presente projeto visa estudar os mecanismos moleculares associados a ação antiproliferativa, citotóxica e reversora do fenótipo MDR da metformina na linhagem celular de leucemia mielóide crônica K562 e sua versão de fenótipo MDR, Lucena. Adicionalmente, será avaliada a capacidade desse hipoglicemiante em modular o potencial metastático das células tumorais através da análise de seus efeitos sobre as capacidades de adesão, invasão e migração celular.

Entre em contato

Bloco L - 3° andar

Avenida dos Estados, n° 5001

Sta. Terezinha - Sto. André - SP

CEP: 09210-580

Email: propes@ufabc.edu.br

 

Telefones

Gabinete: 3356-7614

Administrativo: 3356-7620/7618

IC: 3356-7617

CAP: 3356-7615/7616

Propes-SBC: 2320-6150/6151

CEM-SA: 4996-0028

CEM-SBC: 2320-6176

Biotérios: 3356-7511